Categorias
Livros sobre Política

5 livros sobre capitalismo que são leituras obrigatórias

Ler alguns dos melhores livros sobre capitalismo é essencial para ajudá-lo a entender o sistema no qual há uma clara predominância da propriedade privada, da constante busca por lucros e da acumulação de capital. Como se sabe, o “capital” se manifesta sob a forma de bens ou dinheiro.

Surpreendentemente, embora seja tido como um sistema econômico, ele se estende aos campos éticos, culturais, sociais, políticos, entre outros. A menos que se considere algumas pequenas localidades, o sistema compõe quase a totalidade do espaço geográfico do mundo.

Esses 5 livros sobre capitalismo vão transformar sua vida

Para compreender melhor em que consiste e como o capitalismo funciona, é altamente recomendável começar por analisar as suas principais características. Além disso, o primeiro elemento a ser analisado consiste na existência da propriedade privada (ou particular) dos meios produtivos.

Em contrapartida, para o sistema funcionar adequadamente, é imprescindível que o Estado, isto é, a organização política da vida em sociedade, assegure a propriedade privada a uma quantidade extremamente limitada de indivíduos.

Por analogia, os latifundiários e burgueses estão livres para usar as suas propriedades e as suas terras como bem quiserem, enquanto donos desses recursos. Via de regra, a propriedade privada encontra-se formalmente assegurara pela Constituição dos países.

1. Capitalismo e Liberdade, por Milton Friedman

Esta obra é bastante atual, sobretudo, para as condições latino-americanas. Mesmo que suas ideias centrais girem em torno de que o Estado restringe a liberdade econômica, o autor aborda, também, os impactos para a liberdade individual.

Da mesma forma, isso é algo que todos vivenciamos no dia a dia da América Latina. Entretanto, conforme pensava Thomas Jefferson, o terceiro presidente dos Estados Unidos, o progresso dependerá, em grande medida, se nos livrarmos dos governos que desperdiçam os esforços dos cidadãos com o pretexto de protegê-los.

Desse modo, a principal lição do livro advém da experiência do próprio Friedman, grande defensor dessas ideias quando a maioria acreditava no potencial de um Estado “grande”.

Não apenas o pensamento e a política econômica de Friedman podem ser extraídos dessa obra, como também a importância de sempre lutar por aquilo que você acredita, ainda que as suas convicções não sejam exatamente “populares”.

2. Capitalismo na América: Uma história, por Alan Greenspan

O livro “Capitalismo na América” é escrito pelo legendário ex-presidente do Federal Reserve (ou Fed: o Banco Central dos Estados Unidos), além de jornalista do periódico The Economist e historiador.

Logo que inicia suas explanações, Greenspan proporciona uma história completa e épica do país mais rico do mundo. Como resultado, descobrimos como uma verdadeira “colcha de retalhos” composta por colônias maltrapilhas se tornou a máquina de inovação e riqueza mais poderosa de todos os tempos.

Só para ilustrar, o texto é bastante acessível, à medida que as histórias contadas envolvem vastas paisagens, descobertas triunfantes, figuras titânicas, terríveis falhas morais e sucessos impensáveis de grandes líderes.

Antes de tudo, o que existe de mais elementar nos debates acerca da evolução norte-americana é, justamente, a função da escravidão na economia dos países sul-americanos, bem como os impactos do New Deal e as profundas mudanças ocorridas nos E.U.A. para se abrir ao comércio global.

Livros sobre capitalismo

3. Capitalismo sem rivais: O futuro do sistema que domina o mundo, por Branko Milanović

Milanović se concentra em algumas questões centrais, tais como:

  • Qual é o tipo de globalização existe atualmente?
  • Como esse tipo específico se consolidou?
  • Quais são as suas características principais?
  • O que a diferencia dos períodos precedentes à expansão econômica voltados à internacionalização do capital?
  • Quais são os possíveis cenários futuros?
  • O que pode ser feito para, pelo menos, mitigar as desigualdades disseminadas em todos os continentes?

Já que o autor se baseia em uma ampla documentação e análises de dados, demonstra que o sistema capitalismo se tornou o único vigente no planeta, depois de séculos de rivalidade ou convivência com outros modos produtivos (com destaque para o socialismo e o feudalismo).

Por mais que essas questões sejam brilhantemente respondidas, o autor ainda propicia uma perspectiva original a respeito da evolução social dos Estados dito “comunistas” do Leste Europeu e da China.

Segundo Milanović, a ascensão da burguesia, com a passagem do feudalismo medieval ao moderno capitalismo, não impediu que o comunismo realizasse, em diversas localidades, um papel histórico transitório.

Por consequência, com erudição e didatismo, nosso autor demonstra as diferenças entre as formas predominantes de capitalismo, a constituição de desigualdades internas e suas manifestações específicas, em todas as partes do globo terrestre.

4. Capitalismo parasitário: e outros temas contemporâneos, por Zygmunt Bauman

O célebre sociólogo Zygmunt Bauman produz essa obra para lançar um olhar crítico aos mais variados temas do capitalismo contemporâneo, tais como:

  • A transformação da cultura em simples mercadoria;
  • A inutilidade das práticas educacionais nos moldes capitalistas;
  • A crise financeira desencadeada a partir de 2009, bem como suas implicações e possíveis soluções;
  • A bulimia;
  • A anorexia;
  • O racismo e outras formas de opressão;
  • Os cartões de crédito, entre outros.

Em contraste com outros autores que abordam o tema, Bauman considera esses fenômenos como partes integrantes do mal-estar reinante em nossas sociedades. No momento em que coloca as suas premissas teóricas, o sociólogo as relaciona brilhantemente ao seu conceito original de “liquidez”.

A fim de que aspectos aparentemente tão diferentes sejam articulados de uma forma densa, o autor consegue produzir uma singular compreensão das raízes dessa sensação de mal-estar.

A propósito, as ideias do autor, mais uma vez, iluminam e orientam a compreensão dos leitores acerca da atualidade, abordando o âmago dos problemas comumente encontrados em nossas vidas cotidianas.

5. 23 Coisas que não nos Contaram Sobre o Capitalismo: Os Maiores Mitos do Mundo em que Vivemos, por Ha-Joon Chang

Nesta obra, Ha-Joon Chang destrói alguns dos mais influentes mitos relativos às sociedades atuais. “23 coisas que não nos contaram sobre o capitalismo” visam desmistificar os conceitos convencionais e geralmente aceitos pelo senso-comum sobre Economia.

Assim, o autor revela a verdade escondida nesses mitos e demonstra o real funcionamento do sistema capitalista. Conforme a leitura avança, o leitor comprova que o chamado “livre mercado” é nocivo às pessoas e, também, uma forma totalmente ineficiente de administrar economias nacionais, fazendo deste um dos melhores livros sobre capitalismo.

Categorias
Livros sobre Política

15 livros sobre nazismo que ajudam a entender a história

Os livros são um portal para qualquer lugar do espaço e tempo. Pensando nisso, preparamos uma lista com os 15 melhores livros sobre nazismo. Você não perde por conferir!

Os 15 essenciais livros sobre nazismo

1. A Ascensão e Queda do Terceiro Reich, por William L. Shirer

Essa ainda é a melhor história da Alemanha de Hitler, escrita por um jornalista americano que testemunhou muitos eventos importantes. O correspondente de rádio da CBS, William Shirer, passou vários anos próximo a Hitler, testemunhando a tentativa nazista de conquistar a Europa. Após a guerra, William L. Shirer passou mais de cinco anos vasculhando documentos nazistas para escrever essa história definitiva. Segundo o The New York Times, esse não é apenas um dos melhores livros sobre nazismo, como uma das obras mais importantes da história do nosso tempo.

2. Diário de Berlim, por William L. Shirer

O cotidiano de William L. Shirer na Alemanha de Hitler também incluiu testemunhar a rendição da França. Assim sendo, esse é o relato particular de Shirer enquanto observava Hitler levar a Alemanha para a guerra na última metade da década de 1930. Além disso, as reações de Shirer à mentalidade nazista que ele encontrou fornecem uma visão única para os leitores. Sem dúvida, um dos livros sobre nazismo mais altamente recomendados.

3. Adolf Hitler, por John Toland

Com base em documentos, diários, anotações, fotografias e entrevistas inéditas com os colegas e associados de Hitler, essa é considerada por muitos como a biografia definitiva do líder nazista.

4. Hitler: 1889-1936 Hubris, por Ian Kershaw

Esta primeira parte de uma biografia de duas partes do renomado historiador britânico cobre o período desde o nascimento de Hitler em 1889 até a reocupação alemã da Renânia em 1936. Em suma, Kershaw utilizou documentos históricos que não estavam disponíveis aos biógrafos anteriores, incluindo arquivos russos, para criar esta importante e nova biografia de Hitler.

5. Hitler: 1936-1945 Nemesis, por Ian Kershaw

A segunda parte cobre a ascensão política e militar de Hitler à beira da dominação mundial e eventual queda, juntamente com uma campanha de perseguição em escala continental que levou aos campos da morte.

6. O Dossiê Hitler, por Henrik Eberle e Matthias Uhl 

Uma narrativa notável originalmente cumprida pelos soviéticos em 1949, com base nos interrogatórios de quatro anos de Otto Guensche e Heinz Linge, assessores pessoais de Hitler, durante seu cativeiro no pós-guerra na Rússia.

7. A Noite dos Facas Longas, por Max Gallo

Uma reconstrução passo a passo, hora a hora, dos eventos de 29 de junho a 2 de julho de 1934, quando Hitler conduzia uma orgia de prisões e assassinatos contra seus ex-companheiros próximos, incluindo o líder das tropas de tempestade, Ernst Roehm.

Livros sobre nazismo

8. Hitler e Stalin: vidas paralelas, por Alan Bullock

As incríveis semelhanças das duas personalidades mais destrutivas de seu século, descobrindo suas origens, carreiras precoces e métodos de tomada e uso do poder. Escrito pelo famoso historiador britânico Allan Bullock, esse é, sem dúvida, um dos livros sobre nazismo indispensáveis para conhecer a história.

9. Os Últimos Dias de Hitler, por Hugh Trevor-Roper

A história completa dos últimos dez dias da vida de Hitler em seu bunker subterrâneo em Berlim, conforme narrado por Trevor-Roper, que foi nomeado pela Inteligência Britânica para investigar as evidências conflitantes em torno do final dos dias de Hitler.

10. O Holocausto: Uma Nova História, por Laurence Rees

Uma história narrativa concisa do Holocausto, por Laurence Rees, utilizando informações de mais de 100 entrevistas recentes com autores nazistas e sobreviventes do Holocausto. Desse modo, o autor examina as origens do campo e a evolução gradual da morte mais notória da Alemanha nazista do último século.

11. O Relatório Buchenwald, por David A. Hackett

Uma coleção abrangente de relatos em primeira mão compilados pela inteligência do Exército dos EUA de prisioneiros em Buchenwald. Isto é, o primeiro grande campo de concentração libertado pelos Aliados Ocidentais. De fato, este relatório exclusivo é o único caso em que prisioneiros libertados foram entrevistados enquanto ainda estavam dentro do campo. Assim, fornecendo uma imagem muito clara da vida e da morte em um campo de concentração nazista. Como esperado, o livro se manteve perdido por anos. Desse modo, uma única cópia do Relatório Buchenwald foi descoberta nas últimas décadas e é ela a ser apresentada neste livro pela primeira vez na íntegra.

12. Anne Frank: Uma Biografia, por Melissa Muller

A primeira biografia da vivaz e inteligente judia, com um sorriso torto e enormes olhos escuros que se tornou o “rosto humano do Holocausto”. Em suma, esta obra utiliza entrevistas exclusivas com familiares e amigos. Além disso, conta com correspondências anteriormente indisponíveis e documentos mantidos em segredo por muito tempo. Desse modo, fornecendo uma compreensão mais profunda e rica de Anne Frank e da Era nazista.

13. Anne Frank: O Diário de Uma Jovem, por Anne Frank

O diário extraordinário de uma jovem judia alemã forçada a se esconder por 25 meses com sua família em um pequeno sótão durante a Segunda Guerra Mundial. Incapaz de sair para fora por qualquer motivo, ela teve de lidar com o tédio, o medo, os aborrecimentos e a solidão do cativeiro, mas através disso tudo consegue permanecer esperançosa.

14. Os Médicos Nazistas: Assassinato Médico e Psicologia do Genocídio, por Robert Jay Lifton

O renomado psiquiatra Robert Jay Lifton examina o papel dos médicos alemães na eutanásia e genocídio nazistas. Sem dúvida, este poderoso estudo, resultado de dez anos de pesquisa meticulosa e extensas entrevistas, esclarece não apenas as origens do Holocausto, mas explica como o trabalho dos médicos acabou por facilitar o sofrimento. Isto é, como o trabalho daqueles que deveriam servir às vítimas como curandeiros, terminou em terríveis e brutais assassinos sistemáticos.

15. A Noite, por Elie Wiesel

O ganhador do Prêmio Nobel da Paz de 1986, Elie Wiesel, fornece um relato aterrorizante do horror do campo de extermínio nazista que ele experimentou quando jovem. De fato, A Noite é um pequeno livro, de apenas 109 páginas, que conta com os depoimentos de seu autor. No entanto,  é também, sem dúvida, um dos documentos mais poderosos já escritos sobre os nazistas. Em suma, um dos livros sobre nazismo altamente recomendados para alunos do ensino médio que estão aprendendo sobre o Holocausto.

Categorias
Livros sobre Política

Livros sobre políticas públicas: 9 obras interessantes e importantes

Entender sobre políticas públicas pode garantir uma visão ampla e diferenciada sobre diversos aspectos do país que influenciam diretamente na vida dos cidadãos. Para saber como debater e entender sobre o tema de forma mais abrangente, separamos os mais renomados livros sobre políticas públicas. Confira!

O que são políticas públicas?

Antes de partirmos para os livros sobre políticas públicas, entender o conceito por trás desse tema é algo realmente interessante. Mesmo que muitos indivíduos mostrem aversão sobre o assunto, é de suma importância entendê-lo para garantir o entendimento sobre o que  governo escolher ou não fazer.

Em resumo, as políticas públicas se caracterizam por um número de programas, ações ou decisões que são tomadas por governos. Independente de serem governos nacionais, estaduais ou municipais, conta-se com a participação de entes públicos ou privados.

A intenção da participação dos entes públicos ou privados, é assegurar que o direito de cidadania de diversos grupos sociais ou segmento cultural, sejam respeitados.

9 livros sobre políticas públicas para entender sobre o assunto

As políticas públicas são melhor entendidas a partir do momento em que há um estudo aprofundado sobre o assunto. Tais estudos ocorrem com maior frequência através de bons livros sobre políticas públicas, já que é uma fonte segura e enriquecedora de conteúdo.

1. Políticas Públicas e Educação de Jovens e Adultos no Brasil – Cláudia Borges Costa e Maria Margarida Machado

A intenção do livro é abordar um tema pouco falado nos dias de hoje, a EJA. Logo, a obra aborda todas as lutas e a trajetória de constituição da EJA como uma política pública. Como sendo um dos mais populares livros sobre políticas públicas, mostra também as alternativas que foram se constituindo com o tempo.

2. Políticas Públicas e indicadores para o Desenvolvimento Sustentável – Christian Luiz da Silva e José Edmilson de Louza-Lima

Entre os livros sobre políticas públicas, é possível destacar este como sendo um dos mais procurados, já que possui fácil entendimento e uma abordagem séria, porém descomplicada. Dessa forma, o conteúdo é abordado com dados, cálculos e comparações.

A intenção é alertar sobre a importância do desenvolvimento sustentável e como as políticas públicas podem colaborar para isso.

3. Políticas Públicas de Lazer – Nelson Carvalho Marcelino

A intenção do livro é mostrar tudo o que precisa ser feito antes de que o lazer seja vivido, de fato, como um direito social pela população. Dessa forma, o conteúdo tem o objetivo de causar grandes perguntas e reflexões ao leitor, de modo a fazê-lo entender toda a complexidade que existe na formulação de políticas públicas.

O livro sobre políticas públicas voltado para a área do lazer, também oferece um incrível material para que haja discussão sobre o assunto, bem como sobre os cursos que estão adotando as políticas públicas como uma disciplina.

Livros sobre políticas públicas

4. Federalismo e Políticas Públicas no Brasil – Gilberto Hochman e Carlos Aurélio Pimenta de Faria

Neste livro, é possível notar a abordagem como o funcionamento e a estrutura do Estado brasileiro. Além disso, discute também as conexões que possui com o sistema e as instituições políticas, além das consequências causadas pela consolidação da democracia e cidadania.

Em suma, o conteúdo abordado no livro consegue ser direcionado tanto aos estudiosos e simpatizantes com o assunto, bem como os profissionais que vivem, diariamente, envolvidos com ações do Estado.

5. Políticas Públicas LGBT e Construção Democrática  no Brasil –  Cleyton Feitosa Pereira

Em um dos mais diferenciados livros sobre políticas públicas, existe o debate que cerca as políticas públicas de direitos humanos voltadas para o público gay, bissexual, trans e travestis. O livro propõe mostrar os desafios vividos por membros e ex-membros do Centro de Referência LGBT de Pernambuco.

Mesmo atualmente, o assunto pode ser delicado para uma grande quantidade de pessoas que não possuem vivência com o assunto ou algum tabu em relação a ele. Assim, o conteúdo também é ótimo para oferecer uma visão mais abrangente e sistêmica de como tudo funciona.

6. Políticas Públicas no Brasil – Gilberto Hochan, Marta Arretche e Eduardo Marques

Para todos que desejam se aprofundar no assunto e descobrir os melhores livros sobre políticas públicas, o “Políticas Públicas no Brasil” tem a intenção de apresentar uma visão ampla sobre a gestão de Políticas Públicas no território brasileiro.

Além disso, neste livro, há as questões conceituais e 12 artigos reunidos para mostrar ao leitor, toda a diversidade de enfoques e agendas. Assim como outros assuntos, o livro também aborda as principais investigações sobre a descentralização das políticas de saúde e a interação entre o sindicalismo e governo.

7. Política Públicas e Direitos Fundamentais – Felipe de Melo Fonte

As políticas públicas estão sendo, a cada dia mais, debates importantes no meio do direito público. No livro, a abordagem é em relação às limitações da atuação do juiz, bem como quais medidas podem ter sofrer com a interferência de suas decisões.

8. Políticas Públicas & Desenvolvimento Regional – Carlos Alberto Máximo Pimenta e Cecília Pescatore Alves

Esta é, na verdade, uma coletânea que reúne livros sobre políticas públicas. A coletânea começou a tomar forma em 2006 e tem como propósito, buscar um olhar diferente sobre políticas públicas, sempre levando em consideração a situação e o contexto de cada local e região.

Dessa forma, o livro aborda as políticas públicas de uma forma abrangente, já que envolve a grande parte de questões nacionais, latinas e mundiais.

9. Doenças Raras e Políticas Públicas

Neste livro, é possível acompanhar e conhecer todos os avanços que foram conquistados em meio aos âmbitos legislativos, executivos e jurídicos, principalmente em relação às pessoas com enfermidades.

A intenção do livro é mostrar a importância das políticas públicas em relação à melhoria de pacientes. Além disso, o livro é uma ótima oportunidade de adquirir conhecimento, principalmente para as pessoas interessadas em descobrir doenças que são pouco vistas atualmente.

Os leitores que provavelmente se agradarão, são médicos, enfermeiros, estudantes ou simplesmente apreciadores do assunto. É uma forma didática e segura de absorver conhecimentos em relação à saúde humana e também em relação à políticas públicas.

Justamente por isso, é considerado um dos melhores livros sobre políticas públicas, já que aborda questões de profunda importância: política pública e saúde.

Categorias
Livros sobre Política

3 livros sobre comunismo que são leituras obrigatórias

Conhecer os principais livros sobre comunismo significa entender melhor esta ideologia socioeconômica e política. Por fim, implica em compreender que ela visa promover a edificação de sociedades igualitárias, nas quais inexistam as classes sociais.

Primeira, esse novo modo de produção pressupões que os meios produtivos sejam de propriedade comum. Ou por outra, a formação de uma sociedade apátrida, isto é, que não esteja sob a égide de um Estado nacional.

Assim também, o comunismo pode ser considerado a antíteses mais bem formatada do capitalismo. Com toda a certeza, isso deve ao fato de que a propriedade privada (entendida como posse de capitais) é abusiva, pois, serve a uma reduzida minoria.

Com a finalidade de transformar a realidade, o comunismo considera, diferentemente da valorização da propriedade privada individual ora vigente, que a sociedade, como um todo, deve ser a proprietária de seus meios de produção.

Esses 3 livros sobre comunismo vão transformar sua vida

Considerando uma perspectiva histórica, o comunismo pode ser visto como a culminância da evolução humana. Seja como for, nesse sistema, a sociedade se organiza de forma a abolir todas as desigualdades.

A princípio, essas diferenças são identificadas como as responsáveis por inúmeros problemas sociais, tais como a miséria e a violência. Aliás, o termo “comunismo” remete ao vocábulo latino “communis” (“comum”, em tradução livre), em junção ao grego “ismo” – responsável por nomear sistemas de crenças e/ou ideias.

Ao passo que o comunismo pode, de modo geral, ser considerado a fase final da implementação e da evolução do sistema socialista, ele teria lugar assim que o Estado fosse dissolvido.

Por exemplo, a partir da extinção do Estado, é possível emergir uma sociedade que divida as riquezas de formas igualitárias, entre todos os cidadãos que contribuem, de alguma forma, com a sua própria força de trabalho.

De acordo com as teses comunistas, o primeiro momento de transformação ocorreria a partir da chegada do socialismo. De tal forma que, enquanto regime de transição, o socialismo cumpriria o papel de estatizar a propriedade privada dos meios de produção.

Com o propósito de realizar esse intento, o Estado seria finalmente abolido, com o poder político conquistado pela classe trabalhadora. Em suma, não restariam mais divisões territoriais, países ou governos.

Primordialmente, as desigualdades entre as classes sociais seriam extintas. Porém, isso nunca aconteceu, de fato, em toda a história humana. Nesse hiato, o comunismo, no campo teórico, segue propondo que todos os meios produtivos, como minas, fazendas, fábricas e outros passem ao controle direto dos trabalhadores.

Os 3 livros que apresentamos a seguir explicam, em grande medida, os elementos fundamentais e o surgimento dessa filosofia política, bem como suas implicações na atualidade.

Livros sobre comunismo

1. ABC do Comunismo, por Nikolai Bukharin

Originalmente publicado no ano de 1920, portanto, 3 anos depois da Revolução Russa, esta obra é tida como o primeiro manual programático de divulgação do Partido Comunista.

Visto que é bastante didática e sintética, ela é, até os dias atuais, uma fonte importante de formação política. Nesse sentido, o livro tem início com uma explicação acerca do conceito de “programa partidário” e sua importância.

Por outro lado, o autor descreve, a partir desse ponto, as concepções soviéticas em relação ao desenvolvimento do capitalismo, da ditadura do proletariado e da Revolução Comunista.

Em primeiro lugar, é inescapável reconhecer a grande seriedade e o imenso valor científico desse livro. Por mais que ele tenha sido destinado, principalmente, aos leitores iniciantes, também servem aqueles que almejam transcender as teorias e aprender acerca da primeira experiência prática dos ideais comunistas.

2. Como mudar o mundo, por Eric Hobsbawm

Este livro reúne ensaios, conferências, artigos e prefácios de Hobsbawm que, além de intelectual, sempre foi um ativo militante político. Entretanto, a coletânea engloba décadas de intensa aproximação com as obras de Marx e o seu legado.

O autor reafirma que as reflexões acerca do capitalismo, presentes nos trabalhos de Marx, continuam sendo válidas. Em síntese, “Como mudar o mundo”, consiste em uma espécie de tributo às influências de Marx sobre o historiador britânico.

Por fim, essa inspiração é perceptível em toda a sua trajetória política e acadêmica. Primordialmente, consolidadas a partir da década de 1930, quando ingressou em uma associação de jovens comunistas da cidade de Berlim.

Ao mesmo tempo, a afinidade ideológica do autor não compromete, entretanto, sua lúcida interpretação das trágicas falhas ocorridas por todo o século XX, perpetradas por aqueles que defendiam os ideais comunistas.

A abordagem de Hobsbawm

A fim de que os leitores se aprofundem na produção dos textos fundadores do comunismo, Hobsbawm dedica a primeira parte de seu livro ao estudo das obras:

  • “A situação da classe trabalhadora na Inglaterra”,
  • Os “Grundrisse”;
  • O “Manifesto do Partido Comunista”;

Por isso, nosso autor consegue apontar com primazia os antecedentes históricos da filosofia marxista. Acima de tudo, confere especial destaque à originalidade de interpretação global do sistema capitalista e suas atuais contradições.

Ademais, na segunda parte do livro, a história marxista é analisada a partir dos anos de 1890 (após o falecimento de Engels). Em conclusão, o leitor conhecerá o início de sua trajetória nos sindicatos operários, a ascensão da social-democracia europeia, as lutas antifascista tanto na Primeira quanto na Segunda Guerra Mundial, bem como a influência do pensamento marxista sobre os intelectuais asiáticos.

Mas, Eric Hobsbawm identifica um militante e escritor em especial, qual seja, o italiano Antonio Gramsci. Aliás, as ações e escritos de Gramsci, assim como sua intervenção no debate comunista são objeto de 2 capítulos.

3. Manifesto do Partido Comunista, por Karl Marx e Friedrich Engels

Esse é um tratado político que é considerado como um dos maiores influenciadores da História Contemporânea. Além disso, no ano de sua publicação original (1848), diversas revoluções varriam o Velho Continente.

Como se vê em momentos de convulsão sociais, variais correntes se rebelaram contra os regimes autocráticos e monárquicos, e passaram a comunicar os seus próprios ideais, tais como os:

  • Nacionalistas;
  • Democratas;
  • Liberais;
  • Socialistas etc.

Inegavelmente, contudo, foi o “Manifesto do Partido Comunista” a máxima expressão dos propósitos e programas da chamada “Liga dos Comunistas” nesse período histórico. Em suma, esta obra é, certamente, um dos melhores e mais fundamentais livros sobre comunismo.

Categorias
Livros sobre Política

5 livros sobre socialismo que são leituras obrigatórias

Conhecer alguns dos melhores livros sobre socialismo significa entender mais profundamente esse sistema econômico e político que se baseia no princípio da igualdade.

Conforme os conhecimentos acerca do tema avançarem, você entenderá propostas como a planificação da economia, a socialização dos meios produtivos. Antes que tudo isso ocorra, porém, os teóricos socialistas apontam a necessidade da tomada do poder do Estado pela classe trabalhadora.

Dessa forma, o socialismo objetiva a construção de sociedades sem classes. Nesse meio tempo, as propriedades e os bens (de cunho produtivo, não pessoais) passam a ser coletivamente controlados.

Pensando nisso, apresentamos, ao longo deste artigo 5 livros sobre socialismo que serão de grande utilidade para todos aqueles que desejam contribuir para eliminar as diferenças econômicas entre ricos e pobres. Boa leitura!

Esses 5 livros sobre socialismo vão transformar sua vida

Antes de mais nada, cumpre ressaltar que o socialismo surgiu em meados do século XVIII. Precipuamente, tratava-se de uma tentativa de ultrapassar o sistema vigente, qual seja, o capitalismo.

A saber, o primeiro autor a usar o termo foi Saint-Simon, economista e filósofo francês de grande influência. Assim, ele propunha a criação do novo sistema econômico e político, no qual os indivíduos deveriam compartilhar interesses e receber em conformidade com seu trabalho.

Analogamente, isso seria pautado no progresso científico e industrial. Friedrich Engels e Karl Marx, no entanto, divergiam das características que consideravam utópicas de Saint-Simon, concentrando suas obras em temas como:

  • A revolução socialista;
  • A definição de mais-valia;
  • Os princípios do materialismo histórico e dialético;
  • A crítica aos socialismos do tipo conservador, reacionário e utópico;
  • A superação do capitalismo e seu modo de produção;
  • A luta de classes;
  • A edificação do socialismo científico.

Por causa desse trabalho científico, teórico e prático de Karl Marx, o socialismo científico é, frequentemente, chamado de “Marxismo”. Conheça, a seguir, algumas das principais obras que tratam do assunto.

1. Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico, por Friedrich Engels

Engels, conforme mencionado, foi um dos maiores colaboradores de Marx e, como tal, cofundador do socialismo científico. Tanto quanto Marx, Engels é o precursor de uma importante linha de pensamento e compreensão do mundo.

De tal sorte que, enquanto filósofo, Engels analisou a sociedade de um modo muito eficiente. Principalmente, tem servido de influência a uma variada plêiade de autores marxistas.

Neste livro, o autor demonstra como o socialismo, de qualidade intrínseca às pessoas de bom caráter, se converteu em um referencial científica para analisar a realidade. Acima de tudo, a necessidade de abandonar as ideias fantasiosas e compreender a realidade tal qual se apresenta aos nossos olhos é uma das marcas dessa obra.

Livros sobre socialismo

2. Do Socialismo Soviético ao Capitalismo Russo, por Lenina Pomeranz

O desmantelamento do sistema soviético, bem como a Revolução de Outubro de 1917, foram eventos que marcaram indelevelmente o século passado. Afinal, a Revolução Russa já vem sendo estudada há longo tempo.

Com efeito, não há um interesse similar em relação ao desmoronamento do socialismo soviético ou à sua substituição pelo sistema capitalista na Rússia. Contudo, esse livro analise e descreve a passagem angustiante de uma organização econômica à outra.

Todavia, a autora engloba esse fenômeno no conceito que gestou, qual seja, o de “transformação sistêmica”. De fato, Pomeranz trata de 2 elementos cruciais do processo:

  • A privatização das propriedades públicas;
  • A conversão das estatais à economia de mercado.

3. O século XXI: socialismo ou barbárie?, por István Mészáros

Mészáros parte, nessa obra, de um diagnóstico acerca dos escritos inacabados de Marx. Enfim, é necessário levar adiante sua imensurável elaboração, prosseguindo com tudo o que ficou por ser feito.

Bem como “O Século XXI” tornou-se uma espécie de reavaliação sólida do Marxismo, cumpre o papel de atualizas o pensamento socialista. Se acaso o autor denuncia a falsidade das ideias que defendem o “fim do imperialismo”, é apenas para apresentar uma contundente e corajosa crítica aos rumos tomados pela assim chamada “globalização”.

Por conseguinte, os leitores são apresentados à degradação ambiental, à desvalorização do trabalho, ao massacre dos povos, à perda dos valores e dos sentidos de humanidade e vida social.

Porque, segundo o autor, caso o atual sistema capitalista não for interrompido de alguma forma, a própria sobrevivência do mundo permanecerá comprometida. Depois que conceitua exemplarmente suas contribuições, Mészáros explica a necessidade da elaboração de uma resposta imediata, sob pena de retornarmos aos estágios mais primitivos da espécie humana.

4. Qual socialismo?, por Norberto Bobbio

Senador vitalício, historiador e filósofo político, Bobbio é amplamente reconhecido por seus escritos densos, lógicos e, ainda, concisos. É provável que o autor seja um dos maiores defensores europeus do positivismo jurídico e da democracia burguesa, assim como um dos mais contundentes críticos de Marx e do Bolchevismo.

Em “Qual Socialismo?”, Bobbio sustenta que socialismo sem democracia e democracia sem socialismo são respectivamente imperfeitos. Por certo, trata-se de uma crítica rigorosa do socialismo e do liberalismo “reais”.

5. O Socialismo na Obra de Marx, por Michel Henry

Michel Henry já era tido como um filósofo consagrado ao reconhecer, em Karl Marx, um dos mais profundos e maiores pensadores de todos os tempos. Ainda mais, ele decidiu realizar uma sistemática leitura das obras completas do fundador do socialismo científico.

Certamente, Henry buscava a unidade fundamental desse autor que, até os dias atuais, é lido apenas parcialmente. Assim sendo, essa obra defende uma ousada tese: para compreender Marx é imprescindível, antes, abandonar o marxismo!

Portanto, segundo Henry, o Marxismo tornou-se a doutrina oficial de uma época na qual todas as produções fundamentais de Marx ainda permaneciam inéditas. Só que, mesmo assim, as suas ideias se comunicaram e disseminaram assombrosamente.

Posteriormente, uma das principais obras de Marx – A Ideologia Alemã, que seria publicada em 1932 – não influenciou os maiores divulgadores do socialismo científico. Por fim, o autor de “O Socialismo na Obra de Marx”, considera a necessidade de propor um juízo adequado ao homem que é tão difícil de designar: economista, filósofo, político, sociólogo, reformador, teórico, revolucionário, profeta etc.

Esse é um dos melhores livros sobre socialismo que você pode ler, pois, busca analisar o que há de tão monumental nessas obras tão diversas, que tratam de todos os domínios da ação e do conhecimento.

Categorias
Livros sobre Política

6 importantes livros sobre fascismo

Os livros sobre fascismo são importantes para oferecer perspectivas fundamentadas sobre um assunto repleto de equívocos. Por um longo tempo, qualquer um que tentasse rotular as pessoas com quem discordava politicamente como fascistas era visto como tendo passado dos limites.

Além disso, os países que adotaram o fascismo como base de seus governos não tinham uma história forte de princípios e estruturas democráticos que lhes permitissem suportar a demagogia fascista. Havia até uma certa escola de história que argumentava que a Alemanha era o “único” lugar onde o nacional-socialismo poderia ter florescido, porque a história da Alemanha revelou que os alemães “sempre” tinham tendências fascistas, mesmo durante a Reforma.

De fato, é fácil ver porque a população pode acreditar que o fascismo foi um momento ruim da história e algo que nunca poderia ter tido sucesso em um país que se orgulha de seus ideais democráticos. Ao criar um problema que acontece em outros lugares, os povos de outros países se orgulham de ser contra a prática ou ter “derrotado o fascismo” com seus aliados durante a Segunda Guerra Mundial.

Mas o que acontece quando as ideias relacionadas à ideologia fascista se tornam populares entre um grande segmento de eleitores, como é o caso de alguns países hoje? A crença de que o fascismo nunca poderia acontecer em outros países impede as pessoas de identificá-lo como fascismo? É isso que muitos livros sobre fascismo se propõe a refletir ao pensarem fora da caixa.

Perspectivas das obras

Nas obras aqui reunidas, por exemplo, os autores abordam o fascismo de várias perspectivas. Os leitores poderão encontrar aqui uma elucidação adicional dos elementos do fascismo contida nos cinco primeiros trabalhos listados. Além disso, selecionados livros com experiências vividas por aqueles que experimentaram a vida em regimes fascistas. Ou seja, uma experiência de como o conhecimento é atacado por fascistas, a fim de substituir a verdade pela verdade fascista.

Outras obras abordam como resistir ao fascismo e a ênfase na perfeição física e suas conexões com atitudes em relação às mulheres e à sexualidade. Há também a ênfase fascista no espetáculo, ou os aspectos performativos do fascismo, como mostram as competições de cinema e esportes. Incluídos na lista de ficção estão os romances que foram escritos por alemães que viviam durante os anos nazistas, enquanto outros especulam sobre o que o neo-fascismo pode esperar de seus cidadãos.

Assim sendo, confira a seguir os 6 mais importantes livros sobre fascismo!

6 indispensáveis livros sobre fascismo

1. Como Funciona o Fascismo: A Política de “Nós” e “Eles”, por Jason Stanley

Jason Stanley é professor de filosofia em Yale e também filho de refugiados judeus europeus. Em Como o fascismo funciona, Stanley identifica as características definidoras dos regimes fascistas. Ele ilustra como essas idéias fundamentais são implementadas e decretadas em regimes.

2. As Origens do Totalitarismo, por Hannah Arendt

Arendt pode ter sido a maior pensadora do século XX. Afinal de contas, ela era uma alemã que fugiu da Alemanha quando seu judaísmo a tornou indesejável por lá. Mais tarde, ela ensinou em várias universidades americanas. Em As origens do totalitarismo, Arendt examina com rigor intelectual e detalhado os dois principais movimentos totalitários do século XX: stalinismo e nazismo. Para Arendt, o totalitarismo, como o nome indica, interferiu em todos os aspectos da vida. Chegou ao poder através da manipulação da multidão, mas uma vez no poder, separou as organizações que poderiam ter sido mobilizadas para se opor a ela.

Livros sobre fascismo

3. A Anatomia do Fascismo, por Robert O. Paxton

Muitos estudiosos escreveram histórias intelectuais de movimentos fascistas. Eles definiram os ideais que os fascistas propagaram ou explicaram os textos que os fascistas usavam para identificar suas crenças. O problema é que muitos desses ideais parecem abstratos e pode ser difícil identificar o fascismo quando você não tem acesso à justificativa intelectual para certas ações. É isso que Paxton procura abordar nesse indispensável livro sobre fascismo!

4. On Tyranny, por Timothy Snyder

Timothy Snyder olhou para as histórias de vários governos do século XX, a fim de compilar essa lista compacta de maneiras cotidianas pelas quais as pessoas podem resistir à tirania e ao fascismo. Ele incentiva as pessoas a pensar por si mesmas, ou seja, a não aceitar aquelas publicações falaciosas no Facebook. Ou seja, antes de aceitá-las como verdade, é necessário se certificar de que foram relatadas por veículos de notícias confiáveis. Além disso, ele também sugere que as pessoas se apegem à idéia de que existe verdade. Não aceite uma idéia pois ela o deixa mais confortável do que reconhecer o fato verdadeiro, por exemplo.

5. Diário de um Desesperado, por Friedrich Reck

Segundo todos os relatos, Friedrich Reck seria a última pessoa a resistir aos nazistas: ele nasceu em uma família próspera e conservadora na Prússia Oriental. Reck não era fã da democracia e ansiava pelo sistema de hierarquia passado da Alemanha. Mas em 1936, ele começou a manter um diário de suas observações sobre o regime fascista. Reck se mostrou horrorizado com a brutalidade, a violência e o poder que eles tinham sobre a população alemã. Suas anotações no diário são cheias de desprezo, mas também fornecem aos leitores modernos uma sensação real de como as coisas eram horríveis para os alemães comuns. Além disso, Reck se mostra chocado com as tentativas nazistas de controlar o conhecimento e a verdade, e mantém um diário em um esforço para escrever o que realmente estava acontecendo, ao contrário das versões que os nazistas contavam.

6. Não Vai Acontecer Aqui, por Sinclair Lewis

O ganhador do Prêmio Nobel de Literatura, Sinclair Lewis, morreu em 1951. Mas, ainda nos meses seguintes à eleição de Donald Trump nos Estados Unidos, em 2016, seu romance de 1935, Não Vai Acontecer Aqui, subitamente tornou-se um best seller novamente. Lewis escreveu o livro durante a Grande Depressão, quando o desemprego em massa, as fazendas em declínio e a pobreza tornaram os Estados Unidos vulneráveis, pensou Lewis, ao tipo de demagogo populista fascista que havia assumido o controle na Itália e na Alemanha. Tornando-se, dessa forma, um dos melhores livros sobre fascismo de todos os tempos.

Categorias
Livros sobre Política

9 livros sobre democracia que você precisa ler agora

Se praticamente tudo no mundo tem relação com a política, nunca é demais conhecer mais a fundo uma das formas de governo mais antigas do mundo. Para isso, investir na compra de livros sobre democracia tem sido uma prática comum tanto para profissionais quanto para estudantes.

Nesse sentido, para ajudar você a entender melhor o cenário nacional, criamos uma lista com alguns dos melhores livros sobre o assunto. Com tanta informação em mãos a partir de livros sobre democracia, ficará mais fácil se orientar e entender a quantas anda nosso sistema de governo.

9 bons livros sobre democracia que são importantes para todos

1. Valsa Brasileira, por Laura Carvalho

Com a autoria da professora da USP, colunista da Folha de S.Paulo e economista Laura Carvalho, a obra traz análises complexas sobre a economia brasileira entre os anos de 2006 e 2017. Ou seja, neste primeiro livro da autora o Brasil é abordado desde o segundo mandato de Lula até o impeachment de Dilma Rousseff.

No entanto, o diferencial da obra frente aos demais títulos sobre livros sobre democracia, é a linguagem simples que ela oferece ao leitor. Isso porque o objetivo da leitura é ajudar os mais leigos a entender melhor sua análise do período. Além do mais, o livro propõe quais poderiam ser os novos caminhos da nossa economia.

2. Angola Janga – Uma história de Palmares, por Marcelo D’Salete

Além ter a autoria dos textos, nesta obra o autor também assina as ilustrações. Aliás, hoje ele é um dos artistas brasileiros mais respeitados nessa área, ganhando destaque principalmente nas questões raciais. Em linhas gerais, o livro tem aspectos épicos sobre a luta do povo contra a opressão.

Ademais, o nome da obra significa “pequena Angola”, nome dado ao maior quilombo presente no território brasileiro. A partir de sua fundação no século XVI por escravos fugitivos que resistiram à invasão europeia, no local a cultura africana tinha toda a liberdade.

Enfim, entre os livros sobre democracia, este é o resultado de mais de dez anos de estudo e pesquisa sobre o assunto. Afinal, o autor também é mestre em História da Arte pela Universidade de São Paulo e procura narrar a vida e as experiências vividas pela população negra e mais isolada socialmente.

3. 50 poemas de revolta, por vários autores

Para consolidar esta obra, foram reunidos textos de alguns poetas brasileiros, como Hilda Hilst, Ana Cristina Cesar, Conceição Evaristo, Laura Liuzzi e Paulo Leminski. Além de serem poemas contemporâneos e clássicos, entre os livros sobre democracia, eles abordam olhares distintos sobre as mais variadas formas de opressão.

4. Mulheres e poder: um manifesto, por Mary Beard

A partir dos textos dessa historiadora da Universidade de Cambridge, o livro abordar quais as origens da misoginia durante as antigas cidades de Atenas e Roma. Para isso, a autora procura provar que desde essa época já existia uma cultura para calar o feminismo frente situações de violência e injustiça.

Além do mais, ela analisa como o poder do homem tem relação direta com o poder se sobreposição sobre as mulheres. Por outro lado, a obra também aborda como que o machismo interferiu em campanhas presidenciais no Brasil e nos Estados Unidos.

Como ótima dica de livros sobre democracia, em linhas gerais, a obra leva o leitor a pensar no poder de uma forma diferente. Para isso, a autora requer o direito de todas as mulheres serem levadas a sério, seja de forma individual ou coletivamente.

Livros sobre democracia

5. Cama de gato, por Kurt Vonnegut

Esta é mais uma obra na qual o autor emprega seu tom satírico único. Entretanto, neste caso a história é a de um cidadão comum que resolve realizar uma investigação pessoal sobre os bombardeios atômicos sobre o Japão.

Além de ambientado durante a segunda grande guerra, a procura por respostas leva o homem a passar por mudanças e transformações relacionadas à sua visão sobre religião, ciência e política. Enfim, o autor, que foi prisioneiro de alemães à época, faz pesadas críticas sobre o emprego do conhecimento em prol do fanatismo religioso, da intolerância e, claro, da destruição em massa.

6. A vítima tem sempre razão?, por Francisco Bosco

Desde seu lançamento no ano de 2017, o filósofo e escritor já causou debates intensos mundo afora. Isso porque, entre os melhores livros sobre democracia, sua trama traça um cenário perturbador sobre as atuais lutas ideológicas políticas travadas no Brasil.

De acordo com a obra, seja nas redes sociais ou nas ruas, elas acabaram por alterar nosso cenário político atual. Nesse sentido, o autor ainda aborda as estratégias de argumentação e os excessos de militantes para analisar o que cada atitude representa e manifesta na sociedade.

7. Em busca da política, por Zygmunt Bauman

Com autoria de um dos maiores sociólogos e filósofos contemporâneos, a obra aborda a tese de que a liberdade individual é resultado de um trabalho coletivo. Entretanto, segundo o próprio autor, os dias de hoje essa liberdade é garantida apenas através dos meios privatizados. Ou seja, esse ensaio visa analisar como que as questões de âmbito público são tangenciadas pelas questões privadas.

8. Sobre a tirania, por Timothy Snyder

Nesta lista de livros sobre democracia, o escritor e historiador da Universidade de Yale autor aborda sua análise pessoal sobre um texto que ele escreveu assim que fora confirmada a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de 2016. Como resultado, esse conteúdo, que fala sobre democracia, nazismo, comunismo e fascismo no século XX, acabou viralizando na internet.

Em suma, segundo o próprio autor, na leitura a única vantagem que o cidadão comum tem é a oportunidade de aprender tirando proveito da experiência deles. Enfim, a obra reforça a importância de aprendermos com as experiências do passado.

9. Representantes de quem?, por Jairo Nicolau

Para fechar nossas dicas de livros sobre democracia, nesta obra o sociólogo aborda a questão da representatividade popular dentro dos mais altos níveis de poder. Além de ser um célebre pesquisador do nosso sistema eleitoral há duas décadas, ele consegue passar um texto acessível a todos.

Para isso, a leitura traz respostas a grandes perguntas para quem quer entender melhor como anda o processo eleitoral brasileiro. Como exemplo, o livro questiona como que certos políticos são eleitos apesar de terem menos votos que outros.

Além do mais, a obra também levanta perguntas referentes a uma reforma política que jamais acontece. Enfim, nesta dica de livros sobre democracia, o autor traz soluções para aperfeiçoar as legislações partidária e eleitoral no Brasil.